Redesign de Marca: 4 cuidados que todo Marketing deveria tomar antes de conduzir um.

Muitas vezes, por uma série de motivos combinados ou não, é preciso reposicionar a marca, ou fazer um redesign de marca. Embora seja um procedimento simples quando falamos de sua execução, seu planejamento requer algumas reflexões.

Primeiramente, é preciso detectar precisamente o problema com a marca atual.

Antes de qualquer mudança, é necessário identificar o porquê do logotipo ou símbolo atual causarem incômodo.

Geralmente, as causas variam entre design defasado/inadequado; reposicionamento de cultura ou de marca num todo; redução ou ampliação na abrangência e ramo de atuação.

Na maioria dos casos, mudanças internas na empresa refletem em seu posicionamento visual.


Assim, as marcas são alteradas para acompanhar uma transformação mais completa e profunda nos negócios.

No caso da Boyband, por exemplo, uma nova tipografia foi escolhida para adequar sua identidade a uma linguagem mais clara e precisa, retirando possíveis ruídos do modelo anterior.

 

Além de alterações que se adequam às tendências mais atuais de design gráfico, a nova marca e o novo símbolo da Boyband também acompanham um posicionamento de mercado renovado, mais firme, objetivo e com sede de crescimento.

Por isso, o novo símbolo é um Y que, além de compor a palavra “Boyband”, também traz a forma do estilingue, objeto que é exatamente como a agência quer se consolidar: precisa e eficaz com os recursos que houverem à mão – mesmo que forem simples.


Nesse caso, o redesign de marca acompanha uma nova abordagem da agência perante o público.


Mesmo que esse não seja a razão e que as motivações sejam puramente estéticas – o que também é muito recorrente – algumas orientações são básicas quando o assunto é alterar uma marca já consolidada em sua realidade.

No processo inicial de discussão da nova identidade de logotipo, a Boyband seguiu diversas premissas para ser acertiva nas mudanças que estavam por vir.

Confira 4 pontos básicos desse processo e absorva à realidade da sua empresa:


Reformule e recicle

Quanto mais antiga e tradicional for a marca, melhor é associada por seus consumidores. Por isso, ao redesenhá-la ou modificá-la, procure reciclar e reformular os elementos principais desta, aproveitando aquilo que há de efetivo em sua mensagem, como: certas cores usadas, algum elemento visual ou determinados grafismos. Do mesmo jeito, não tenha medo de excluir o que é inútil.

Dê fim aos excessos

Estamos na era do design clean, sem efusividade. Dessa forma, não importa qual o ramo de atuação da sua empresa: invista no “menos é mais” ao redefinir a sua marca. Caso esteja reaproveitando elementos, uma boa saída é “limpar” tudo o que desagrada na marca inicial e verificar como ela se apresenta após esse passo – em muitos casos, é necessário apenas mais alguns ajustes depois dessa etapa.

Não faça um redesign de marca baseado em tendência

O universo do design gráfico é repleto de tendências que vão e voltam. É interessante incorporá-las aos materiais gráficos, porém, é preciso atentar-se à relevância e adequação destas ao seu negócio, segmento e realidade. Ainda assim, alguns modismos são extremamente fugazes e, então, não são indicados para marcas, uma vez que estas devem ser (ligeiramente) duradouras.

Peça ajuda profissional.

Mesmo que você esteja com poucos recursos destinados ao marketing e à publicidade do seu negócio, invista em um bom profissional para cuidar do seu redesign de marca – mesmo que seja para revisar ou corrigi-la. Sua marca é o recurso visual primordial da empresa, por isso, é essencial investir em sua nova apresentação – ainda mais que, repetimos, a marca é criada para ser duradoura.

Luciana de Castro

Antes de jornalista, apaixonada por palavras, frases e expressões. Marketing, redes sociais, cinema, moda e gastronomia compõem seu universo – mas nele há mais, muito mais. É redatora da Boyband Comunicação.