Confira uma tática simples, e ainda pouco utilizada, para superar concorrentes com muito mais verba.

Share on LinkedInShare on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someone

Seja em tempos de crise ou não, a área de Marketing costuma ter menos verba do que precisaria. Ao mesmo tempo, uma grande responsabilidade recai sobre o diretor dessa área, já que divide espaço com marcas que têm mais verba e muito mais força de marca.

E o que você pode fazer de interessante para virar esse jogo?

Se você não pode vencer com verba, use uma tática que muitas marcas ainda não dominam: Conteúdo.

 

Antes que você diga “ok, mais um post sobre Marketing de Conteúdo…”, acompanhe minha abordagem. Talvez você ainda não esteja fazendo, porque ainda não descobriu que já é um expert no assunto. Só não sabe ainda.

 

Por que conteúdo?

Porque o conhecimento não está mais com os vendedores.

Aquele tempo em que as pessoas confiavam cegamente nos vendedores e dependiam (quase que) totalmente deles para comprar produtos e serviços já passou!

Uma pesquisa mostra que:

• 93% dos processos de compra começam com uma busca on-line.
• 80% dos consumidores preferem buscar informação sobre serviços ou produtos em artigos do que em um anúncio publicitário.

Isso quer dizer que, em algum momento, seus clientes estão, de fato, procurando na web antes de comprar.

 

Esta é a sua oportunidade: construa uma base sólida de conteúdo útil e, no momento em que o cliente for dar aquela confirmada na web, antes de se decidir realmente, bang! Você pode virar o jogo.

 

Pense: quais são as perguntas que seus clientes mais fazem?

Escreva conteúdo que responda estas perguntas. Antes mesmo de o cliente cogitar adquirir o seu produto ou serviço, você já tem uma estratégia simples, barata e eficaz para a rede.

O objetivo é atrair o cliente através de informações relevantes sobre o problema que ele quer sanar – ou, em outras palavras, conteúdo sobre o que envolve a área de atuação de sua empresa e que seja de real interesse dos seus clientes.

O livro “Rework“, do qual nós já falamos em outro artigo, traz 3 princípios que são importantes para te ajudar a pensar sobre pensar o seu conteúdo.

 

Ao invés de gastar mais, ensine mais.

Mostre como se usa a sua solução, o passo a passo do seu método, como e o porquê se faz dessa forma. Assim, o seu negócio se torna mais próximo do público, humanizado e confiável.

Lembre-se do ditado: venda e ganhe um cliente. Ensine e ganhe um amigo.

 

Mostre os bastidores

Mostre também os bastidores e o dia a dia dentro da empresa. As pessoas gostam de saber como funcionam as coisas e, dessa maneira, elas podem conhecer quem está por trás do produto ou serviço para criar identificação.

Use vídeo, redes sociais e não se preocupe em parecer uma megacorporação. Detalhes da vida real vão transmitir originalidade para a sua marca.

 

Faça como os chefs: dê a receita.

Por fim, quando ensinar, imite os grandes chefs de cozinha. Eles não têm medo de passar os ingredientes, instruções e macetes das suas receitas, já que dificilmente alguém poderá fazer exatamente igual e com os mesmos resultados.

Então, você pode disponibilizar ferramentas, métodos de trabalho ou pequenas soluções grátis.

Arrisque-se em ensinar de verdade, pois nada irá superar a sua experiência de mercado e o seu know-how da situação. Desse jeito, você valoriza o seu público, se destaca da concorrência e cria uma relação de confiança.

Se você ensina os seus prospects algo útil, as pessoas vão te respeitar pelo conhecimento e por ter compartilhado.

 

O que pode ser mais sólido do que um relacionamento baseado na admiração?
Esse é apenas o caminho inicial para a construção de uma estratégia eficiente de Marketing de Conteúdo, que deve ser estruturada por estágios e produções planejadas de acordo com o seu cliente ideal. Mas, sem dúvidas, é uma grande oportunidade para quem precisa brigar com concorrentes muito maiores.

Por que não?

Share on LinkedInShare on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someone

Leonardo Moura

Publicitário, acumula experiências em agências e também como cliente – quando foi Diretor de Marketing em indústria de moda. Pai do Judah e aspirante a mochileiro, já dormiu em hotéis baratos na França, Itália, Estados Unidos e serviu como voluntário na Índia. É sócio na Boyband Comunicação.